quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

O ESTADO ATEMPORAL DE CONSCIÊNCIA



Quando cada célula do nosso corpo está tão presente que vibra com a vida, e quando conseguimos sentir essa vida a cada momento como a alegria do Ser, podemos dizer que estamos livres do tempo. Livrar-se do tempo é livrar-se da necessidade psicológica tanto do passado quanto do futuro. Isso representa a mais profunda transformação de consciência que você possa imaginar.

DEPOIS DOS PRIMEIROS vislumbres do estado atemporal de consciência, passamos a viver em um vaivém entre a dimensão do tempo e a presença. Primeiro, você começa a perceber que a sua atenção raramente está no Agora. Entretanto, saber que você não está presente já é um grande sucesso. O simples saber já é presença - mesmo que, no início, dure só alguns segundos no tempo do relógio antes de desaparecer outra vez.
Depois, com uma frequência cada vez maior, você escolhe dirigir o foco da consciência para o momento presente, e não para o passado ou o futuro. Todas as vezes que você percebe que perdeu o Agora, percebe ser capaz de permanecer nele não apenas por alguns segundos, mas por períodos mais lon­gos, se vistos da perspectiva externa do tempo do relógio.
Portanto, antes que sejamos capazes de nos estabelecer com firmeza no estado de presença, oscilamos, periodicamente, de um lado para o outro, entre a consciência e a inconsciência, entre o estado de presença e o estado de identificação com a mente. Perdemos o Agora várias vezes, mas retomamos a ele. Por fim, a presença se torna o estado predominante.

Postar um comentário